História de Sucesso : De usuário de drogas à activista

Chama-se Pedro Bugalho, ex-toxicodependente, actualmente dedica-se ao seguimento de usuários de drogas injectáveis, na organização não-governamental, Unidos.

Chama-se Pedro Bugalho, ex-toxicodependente, actualmente dedica-se ao seguimento de usuários de drogas injectáveis, na organização não-governamental, Unidos.

“Pensei várias vezes que fosse morrer. Recebia quatro injecções de penicilina por dia”

Alegre, bem-humorado e, por vezes tímido, sua história é rodeada de enredos e mistérios mas hoje orgulha-se de ajudar a sua comunidade. Ou seja, tem mil motivos para sorrir e ajudar o próximo como activista. Pedro Bugalho conta que foi usuário de drogas e quase perdeu a vida na sequência de doenças criadas pelo vício. “Fui toxicodependente. Tive uma veia do coração obstruída. Pensei várias vezes que fosse morrer. Recebia quatro injecções de penicilina por dia”, desabafou.
Bugalho diz que ser toxicodependente é muito difícil, principalmente no atendimento nas unidades sanitárias. Muitas vezes há filas enormes e o atendimento é moroso. Daí que sentia-se obrigado a abandonar o hospital para ir procurar dinheiro para injectar-se.
A morosidade no atendimento não só se verifica nas consultas mas também nas farmácias. Segundo relata, para comprar medicamentos os usuários são obrigados a permanecer muito tempo.
Ainda nas farmácias, muitas vezes não aceitam vender as seringas para este grupo, o que concorre para infecção por HIV e SIDA, uma vez serem obrigados a partilhar com outros usuários ou usar a mesma que pode danificar a veia.
Outro aspecto que preocupa Pedro Bugalho, tem que ver com a má actuação da polícia. No seu entender, estes, conhecem as zonas onde são consideradas “o ninho das drogas” mas nada fazem para encerrarem, apenas limitam-se a prender alguns toxicodependentes e apresentar para a imprensa. No bairro da Mafalala por exemplo, Bugalho conta que vezes sem conta alguns agentes recebem dinheiro para não actuarem. Desta feita, todos os dias os agentes da corporação fazem rusgas para extorquirem e satisfazerem os seus apetites.
Bugalho alertou a todos, que andar com seringa não é nenhum crime, daí não ver a necessidade de serem detidos quando encontrados na posse deste instrumento.
Depois de vários momentos difíceis, Pedro Bugalho decidiu mudar de vida graças ao apoio da Unidos. Neste momento, trabalha incansavelmente para a melhoria de vida das pessoas que usam drogas injectáveis e consciencialização sobre a prevenção do HIV e SIDA.