Técnicos do CNCS e parceiros formados em Comunicação para Mudança Social e de Comportamento

Maputo, Junho 2019 – Arrancou esta segunda-feira, em Maputo, o seminário de capacitação em Comunicação para a Mudança Social e de Comportamento, organizado pelo CNCS em parceria com o Centro de Controlo de Doenças (CDC) e John Snow Inc. (JSI).

DSC_1078A capacitação visa dotar os técnicos do CNCS e seus parceiros de conhecimentos e competências na área de Comunicação para Mudança Social e de Comportamento que irão permitir melhorar a sua capacidade de programação, implementação, monitDSC_1056oria e avaliação.

A cerimónia de abertura foi orientada pela Secretária Executiva Adjunta do CNCS, Dra. Idalina Libombo, que disse na ocasião, que um dos maiores desafios da resposta nacional ao HIV e SIDA é, sem dúvidas, a componente de comunicação.

Prosseguindo, disse que embora tenham sido feitos vários esforços para transmitir mensagens sobre o HIV e SIDA desde a década 80, notamos que o seu impacto é reduzido, dado que o número de novas infecções continua a subir, havendo actualmente cerca de 2.2 milhões de pessoas vivendo com HIV, o que significa que há falhas de comunicação. Temos que conseguir produzir mensagens que toquem a mente e o coração de quem as ouve, pois, só assim haverá mudança de atitude perante o HIV e SIDA. Aliado a isso, todos devem contribuir para a criação de um ambiente favorável à eliminação do estigma e a descriminação.

Dra. Idalina Libombo referiu ainda que a capacitação era uma mais-valia, por ser um momento de reflexão e debate aberto dos formandos que são provenientes de diversas instituições e de diversos locais do país, tendo experiências de vida e de trabalho diferentes o que tornará esta formação mais rica.

Por seu turno, Dália Traça, Representante da JSI, realçou que há necessidade de dotar os técnicos de comunicação de habilidades na área de Comunicação para Mudança Social e de Comportamento para melhor responderem aos desafios da resposta Nacional ao HIV e SIDA.

Importa realçar que a formação está estruturada de modo a que a primeira parte de cada sessão diária/módulo seja reservada a uma componente mais teórica dos temas agendados e a segunda parte, mais centrada as actividades práticas, previamente definidas pela equipa de facilitação.

A formação de 5 dias está a ser facilitada pela N’weti sob a supervisão e apoio teórico-metodológico da Escola de Saúde Pública da WITS.